11.Harmonia, harmonia-v1-cap02-m11

11. Harmonia, harmonia (1929), marcha. Autores: Hekel Tavares e Luiz Peixoto • Cantor: Jaime Redondo • Gravadora: Columbia


Quando eles viram que o barbado não dormia, Deu-se a melódia na minoria. Antônio Carlos, quando entrar já não podia, Para os mineiros então dizia:

Harmonia, harmonia, Chamem o Getúlio, que é uma ducha de água fria. Harmonia, harmonia, Chamem o Getúlio, que é uma ducha de água fria.

Enquanto isso seu Getúlio já escrevia Tudo às avessas, Virgem Maria.

Escrita em turco aquela carta parecia, Nas entrelinhas é que se lia.

Harmonia, harmonia, Quero o Catete, mas fingi que não queria. Harmonia, harmonia, Quero o Catete, mas fingi que não queria.

Zé Bonifácio não perdeu inda a mania De que é o barbado da confraria. Toca pro pau, mas o paulista que o espia Lá bem de cima, baixo assobia.

Harmonia, harmonia, Quero São Paulo casadinho com a Bahia. Harmonia, harmonia, Quero São Paulo casadinho com a Bahia.

Eles pensavam que a pimenta não ardia E que seu Júlio não se mexia. Mas vendo Júlio com um bruta maioria Getúlio Vargas lhes repetia:

Harmonia, harmonia, Dezessete contra três é covardia. Harmonia, harmonia, Dezessete contra três é covardia.