19.É Lampa, é Lampa-v1-cap3-m19

19. “É Lampa, é Lampa” (1937), embolada.

Autor: Manezinho Araújo. Intérprete: Idem. Gravadora: Odeon.

É Lampa, é Lampa,

É Lampa, é Virgulino, Lampião

É Lampa, é Lampa, é Lampa,

É Lampa, é Lampa, é Lampião,

É o bicho no cangaço,

Interventô lá no sertão (bis)

Conheço Virgulino,

Por alcunha Lampião,

Desde o tempo de menino,

Quando usava camisão.

Sendo o mesmo cara ôio (caolho),

Nunca deu um tiro errado

Até dá mais com um só ôio Que a gente com um punhado.

É Lampa, é Lampa, é Lampa...

Esse ômi fez o cão

Com uma fia de Liotero

Vestiu ela de Adão

Pra casar no cemitério

Se casa o descarado Inda houve coisa grave

Lampião ficou danado

Com o processo descasado

É Lampa, é Lampa, é Lampa...

Ainda no mês passado

No sertão de Pernambuco

Ele prendeu tanto soldado Que quase fica maluco.

Tenente Samambaia

Deu o nome de Aída

Falou que me visto saia Pra poder sair com vida.

É Lampa, é Lampa, é Lampa...

Ele tem carro blindado,

Muito tiro de espoleta.

Tem mais de três mil soldado

Pra ele ninguém se meta

Armamento tá sobrando,

Quem lhe leva é seu Felipe

Diz que tá se preparando

Para dar combate à gripe.

É Lampa, é Lampa, é Lampa...

A muié dele é muito boa,

Mas as vezes se zangando

A peste da Lampioa

É uma cobra fumando

Ela diz sempre surrindo,

Vocês queiram acreditá

Lampião termina vindo

No Distrito Federá.

É Lampa, é Lampa, é Lampa ...