20.A minha prantaforma-v1-cap3-m20

20. “A minha prantaforma” (1933), embolada.

Autor: Manezinho Araújo. Intérprete: Idem. Gravadora: Odeon.

Ai, Nega Maria! Ai, Maria Fulô!

Olha a minha plataforma se algum dia

Eu chego a ser governador

(bis)

Pra secretário, eu nomeava meu compadre

Que não gosta de maldade, a gente pode confiar

No meu governo, esse homem de nobreza

Só fazia umas defesas, mas defesa é naturá

Ai, Nega Maria ...

Na prefeitura, eu botava meu papai

Que já tá véio demais módi di na coisa pegar

E quanto à verba, eu garanto a voismicêis

Que no fim do quinto mês ela ia aumentar

Ai, Nega Maria ...

Meu irirmão pru sê moço de talento

Punha no Saninhamento, cumissão especiá,

O tá disposto naturá pra batê close

E bancando muita pose tudo ia sanear

Ai, Nega Maria ...

Lá no Tesouro, por causa de uns estrago

Botava meu primo gago, somente pra tapiar

Esse meu primo tinha órdi do Estado

Pru dinheiro ser sacado em meu nome pessoá

Ai, Nega Maria ...

Meu afilhado era chefe de polícia

E comandante da milícia era um fio de honrá

O meu cunhado ia ser o meu prefeito

Pois o cabra tem um jeito danado pra governá

Ai, Nega Maria ...

Eis minha plataforma toda cheia de grandeza

Que acabava com a pobreza e tudo ia endireitá

E quanto à fome que com todo mundo arrasa

Pelo menos lá em casa ela ia se acabá.