32.Paulista de Macaé-v1-cap01-m32

32. Paulista de Macaé (1927), toada. Autor: Pedro de Sá Pereira • Intérprete: Frederico Rocha • Gravadora: Odeon


Nosso dinheiro, o cruzeiro, Vai subindo, Enquanto o câmbio vai caindo, Dando ao povo o que falar.

E a oposição, Que não perde a ocasião, De respeito perde o jeito E diz que a coisa vai quebrar.

Paulista de Macaé, O homem de fato é. E no Palácio das Águias, olé Com o povo ele pôs o pé. (bis) E a Prefeitura, Sinecura desta terra, Contra a qual o povo berra, Faça chuva ou faça sol,

Tem um paulista Pra que assista na cidade Essa grande novidade Que se chama futebol.

Paulista de Macaé...

E na Central Que tanto mal vem nos causando E o povo vai já murchando Direitinho pro Caju.

Se quer a gosto Mais já terão o conforto Pelo ar vou viajar Quando chegar o Jaú.

Paulista de Macaé...

-----

(1) “Paulista de Macaé / O homem de fato é / E no Palácio das Águias, olé / Com o povo ele pôs o pé / Se a rua piso / Com o sorriso / Democrático / Té me chamam de simpático / E chego a encabular / Isso porque vivo / Tranqüilo e não me aflijo / E em vez de Ilha do Rijo / Busco o seio popular”. Na ilha do Rijo, na Baía de Guanabara, funcionavam instalações da Marinha. Provavelmente, a versão original, cantada em 1926, não fazia referencia ao voo do Jaú, ocorrido em 1927.