34.Fogo no pavio-v3-anexo-10-m34

34. “Fogo no pavio” (2001).

Autor: GOG. Intérprete: idem. Gravadora: Só Balanço. CD: Família GOG – Fábrica da vida.

Amanheceu e as paradas lotadas, o mesmo gado já não tão Novo e suas marcas, o calor, a multidão, a fila pra Pegar a condução. A escravidão, as chibatadas

Levadas na senzala se mantém vivas todo dia No quarto sala: amordaçados por horas em frente à Televisão! Efeito bem pior que o da radiação... "País Infeliz, bombardeado pela alegria" Tom Zé define assim Expressando sabedoria! Vou lhe fazer uma confissão um Desabafo: às vezes sinto vontade de jogar tudo pro Alto! Mas que nada! Não vou me entregar às armas ou à Guerra, quem sabe faz a hora não espera. FHC Joaquim Silvério dos Reis dos dias atuais, traidor da nação, Um dólar a mais! Caixa dois até a boca! Dignidade é Pouca! Impune, à solta, merece a forca! Vendeu a Própria alma sem trauma! Dificilmente esse, o salmo Salva! Poesia, verso, rima, prosa! Envenenado pelos Livros, Em Nome da Rosa! Infância proibida! País Infanticida! 57 mil se vão na primeira semana de vida! Fábrica de anjos. A marmita do pai ao lado, somado ao Saneamento básico confira o saldo: Brasil pecado, Realidade trágica, estômagos vazios à espera de cestas Básicas... Salário mínimo: atentado, incentivo ao crime Maluco! Congresso, Planalto assalto de vida em um Lucro! Xadrez! De vez! Para esses canalhas! Ou que Ardam nas fornalhas, pagando por suas falhas!

Revolucionários do Brasil! Fogo no pavio! Fogo no Pavio! Fogo no pavio!

O pé inchado, mãos calejadas, já pegou pesado na Enxada! A prostituta odiada sonha ver a filha formada! Povo nas ruas é dinamite, campo minado, exigindo 20 de Novembro feriado! Zumbi o herói dos libertários Guerreiro daqui! DMN "H. Aço" é necessário ouvir", ler Ferréz, Sérgio Vaz, e quem sabe se libertar das algemas Da carne! Fábrica da Vida motor que trabalha 24 horas Por dia! Nó na garganta, lembranças, álbuns, fotos, Fotografias: combustíveis altamente inflamáveis pra Mim! Caros Amigos, Princípios, Pasquim! Eu vi a Célula-mãe se multiplicar, eu vejo o câncer, querendo Se instalar. Nas artérias tenho o sangue da Indignação, G.O .G. (G.O .G! G.O .G! Guerreiro da Revolução!) Querem fazer do Brasil e América Latina Uma latrina! Segue assim a diária chacina! De espancamentos, processos lentos sem punição, um Seriado sem fim, uma ficção. Capitalismo puro é isso! O feto dejeto no lixo! Negociação com o patrão por um Salário fixo... Fio condutor, o torturador é o gravata, Que no dia da eleição te transporta de graça! Embalsamados pelo manto da desordem! Se dizem líderes De uma geração! Até no travesseiro recebem ordens Chega! Basta! Não! Surge o embrião! O trem Da vida prepara a partida está bem vazio, a burguesia Que valoriza a carne perderá o espírito! Xadrez! De Vez! Para esses canalhas! Ou que ardam nas fornalhas, Pagando por suas falhas!

Revolucionários do Brasil! Fogo no pavio! Fogo no Pavio! Fogo no pavio!

Família G.O.G. pode crer...

Paz então Irmã, então irmão.

Como maltratam o Brasil: ACM, FHC, O Sistema é a bomba e o pavio: só que o Preto aqui é o Estopim em vinil!

Revolucionários do Brasil! Fogo no pavio! Fogo no Pavio! Fogo no pavio!