03. O baile do ministro-v1-cap01-anexo 01-m03

3. O baile do ministro (1904‑1907), cançoneta. Autor(es): desconhecido(s) • Intérprete: Edmundo André • Gravadora: Odeon



Este é o salão do ministro

Pras vítimas de um sinistro Tinha organizado, o baile fantasiado Foram logo convidados Senadores, deputados Era um baile afinal, excepcional A orquestra no terraço bem a compasso Sob os lustres, os ilustres (..........................) As senhoras decotadas, formalizadas Orgulhosas, vaidosas, bastante pintadas Defronte à casa, em pé sobre a calçada Bastante gente parada. com a cara embasbacada Era o povinho, dizendo, coitadinho: – Deixá-los se divertir, aqueles figurões Têm em nós muitos amigos para as eleições. (Fala) Balance bem, eles é que dançam e nós é que pagamos. Ali todos os partidos estavam bem divididos Tudo representado com gesto bom, elevado Homens graves, barrigudos, outros magros mais canudos Tinha que se escolher, era só dizer. Financeiros e banqueiros, comendadores Todos muito prazenteiros, estes senhores Mas dançavam, e cantavam, também jogavam E comiam ou bebiam, outros gritavam Defronte à casa, em pé sobre a calçada Bastante gente parada, com a cara embasbacada Era o povinho, dizendo, coitadinho: – Deixá-los se divertir, aqueles figurões Têm em nós muitos amigos para as eleições.

(Fala) Oh, Senhora Viscondessa! Oh, Senhora Marquesa! Houve uma lauta ceia.........as três e meia. Com bastante pesar tiveram que voltar (.............)  convidados Um dos caminhos (..............) Cada um foi sonhar Ou ressonar Um sonhava ser eleito e satisfeito Outro tinha um bom lugar na secretaria. Outro tinha por ilusão uma condecoração Mas depois, ao despertar, ai que desilusão

Defronte à casa, em pé sobre a calçada Bastante gente parada. com a cara embasbacada Era o povinho, dizendo, coitadinho: – Deixá-los se divertir, aqueles figurões Têm em nós muitos amigos para as eleições.