12.Miserere Nobis-v2-anexo-07-m12

12. “Miserere Nobis” (1968).

Autores: Gilberto Gil e Capinam. Intérprete: Gil. Gravadora: Philips. LP: Tropicália ou Panis et Circensis.

Miserere-re nobis Ora, ora pro nobis É no sempre será, ô, iaiá É no sempre, sempre serão

Já não somos como na chegada Calados e magros, esperando o jantar Na borda do prato se limita a janta As espinhas do peixe de volta pro mar

Miserere-re nobis ...

Tomara que um dia de um dia seja Para todos e sempre a mesma cerveja Tomara que um dia de um dia não Para todos e sempre metade do pão

Tomara que um dia de um dia seja Que seja de linho a toalha da mesa Tomara que um dia de um dia não Na mesa da gente tem banana e feijão

Miserere-re nobis ...

Já não somos como na chegada O sol já é claro nas águas quietas do mangue Derramemos vinho no linho da mesa Molhada de vinho e manchada de sangue

Miserere-re nobis ...

Bê, rê, a - Bra Zê, i, lê - zil Fê, u - fu Zê, i, lê - zil Cê, a - ca Nê, agá, a, o, til - ão

Ora pro nobis