12.No bico da chaleira-v1-cap01-m12

12. No bico da chaleira (1909), polca. Autor: Juca Storoni (Costa Júnior) • Intérprete: Almirante • Gravação em acetato feita na Rádio Nacional – sem data • LP Os ídolos do rádio — volume XX (1989)





Iaiá, me deixe subir esta ladeira Que eu sou do grupo do pega na chaleira.

Quem vem de lá, Bela Iaiá, Ó abre alas Que eu quero passar.

Sou Democrata, Águia de Prata, Vem cá mulata Que me faz chorar.

----------------

  1. Letra de “No bico da chaleira”, de Eustórgio Wanderley. “Menina eu quero só por brincadeira / Pegar no bico da sua chaleira / Ela está quente e se você segura / Fica com uma grande queimadura. / É moda agora e eu justifico / (Com que eu implico) / Pegar no bico de uma chaleira / Muita senhora nos engrossando / Leva pegando a vida inteira. / Se você vai apertar-me no bico / Não imagina como eu logo fico / Não, eu seguro assim desta maneira / Lá no biquinho da sua chaleira. /Agora é moda / Com o que eu implico / Pegar no bico / De uma chaleira / Moço da roda / É gente fina / Tem esta sina / A vida inteira / Ai, se eu consigo pegar de bom jeito / Você vai ver como eu pego direito / Sem ser no bico / Quer pegar na asa? / Talvez consinta, passa lá em casa. / Vamos depressa tomar um chazinho / Enquanto esquenta mais que um tempinho / Ela também está como eu fico / Quando um chazinho toma-se no bico”.

  1. Letra de “Pega na chaleira”, de Eduardo das Neves : “Neste século de progresso / Nesta terra interesseira / Tem feito grande sucesso / O tal “pega na chaleira” / Pega o padre, o sacristão, há, há, há / E esse ao seu vigário / E o vigário pega o há, há / Tudo pega na chaleira./ Padre moço que só fala na missa e no breviário / Quer subir está pegando na chaleira do vigário / Bispo que anda a correr mundo que acredita num ideal / Pega a chaleira no fundo pro cardeal / Tudo pega na chaleira / Do bispo ao sacristão / Vigário que a lei sagrada sustenta em boa tese / Ta pegando na chaleira do bispo da diocese / O homem mais potente / Pega também o soldado na chaleira do tenente/ há, há, há / Tudo pega na chaleira”.