20.Olha o pingo-v1-cap02-m20

20. Olha o pingo (1930), embolada/ paródia. Autores: Hekel Tavares e Joracy Camargo • Intérprete: Januário de Oliveira • Gravadora: Columbia



Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar (bis)

Foi inda ontem

Que lá de Belo Horizonte

Seu Toninho Anacreonte

Me chamou pra governar

Todo acanhado

Respondi: “Tá combinado,

Que daqui mais um bocado

No Catete vou morar”

Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar (bis)

Servi à beça

Pra ser deputado avessa.

Que eu já tinha uma promessa

Com o compadre Roxingtão

Então por isso

De quebrar um compromisso

Houve bruto rebuliço

Que eu inté fiquei na mão

Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar

Eu tava atente

Que pra “serse” presidente

Era só ficar contente

E esperar as eleição

Mas não é sopa

É preciso boas rôpas

Viajar pulas Óropas

Pra servir sua nação

Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar

Mas seu Toninho

Me deixou aqui sozinho 

Vou lutar com seu Julinho

Que é caboclo valentão.

Dos otro estados 

Que ficaram indignados

Um ficou do nosso lado  Mas o resto num qué, não

Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar

Lá vai eu agora 

Sem dormir horas e horas

Sem saber se vô simbora

Ou se fico aqui à toa

Ele se esconde 

Já  desarriô do bonde

Vai fugí num sei prá onde 

Com um tá de João Pessoa

Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar

Cumpadre Virgílio,

Tô ficando burrecido

E  inté desiludido

Com tanta desilusão

Mas não é Júlio 

Que eu não quero ser Getúlio

Escapando desse embrulho

Nunca mais vou no arrastão

Olha o pingo, sinhá, olha o pingo, sinhá,

Olha o pingo, pega o laço pra laçar.