41.Verbo ser-v1-cap02-m41

41. Verbo ser (1931), marcha. Autor: Eduardo Souto • Intérpretes: Francisco Alves e Norma Bruno • Gravadora: Odeon



B-a, bá; b-e, bé; b-i, bi; b-o, bó; b-u, bu.

Dois mais dois, quatro; dois mais três, cinco; dois mais quatro, seis.

- Silêncio. Estão todos presentes e, portanto, vamos começar a lição.

- Fessora, o Julinho não veio.

- Cale a boca, atrevido. Eu já não lhe disse que o Julinho não vem mais?

- Desculpe, dona Osvaldina, eu tinha esquecido que a fessora mandara o Julinho de castigo lá pra casa do português.

- Bem, bem, não fale mais nisso. Vamos agora ao ponto de hoje, a saber: verbo ser, conjugação moderna.

Antigamente

Eu era, tu eras, ele era

O que?

Barbado.

Atualmente

Eu sou, tu és, ele é

O que?

Ah! Raspado.

Seu soldado não me prenda,

Não me mande pro estrangeiro

Pois se eu formei batalhão

Foi só pra ganhar dinheiro. (Bis)

Primeiramente

Eu fui, tu foste, ele foi

O que?

Muita gente, tapeado.

Futuramente

Serei, serás, será

O que?

Ai, ai, gozado.

Seu soldado não me prenda,

Não me mande para o estrangeiro

Pois se eu formei batalhão

Foi só pra ganhar dinheiro.