87.Verde e amarelo-v3-cap.-09-m87

87. “Verde e amarelo”(1992).

Autor: Vítima Fatal. Intérprete: Idem. Gravadora: Chic Show Fivestar. LP: Nem A nem B, só se for D.

Eu não preciso de nada

Pois tenho de tudo

Divido o meu tudo com todos

Que é do meu próprio consumo

Não vejo motivo para ficar triste

Porque não existe miséria

Sua excelência já disse

Que o preconceito racial, social

Virou fato banido

Os que pecaram no passado

Foram removidos

Reduzidos a nada

Tomados como exemplo

(Não acredite, fique atento)

É pois é assim que eles querem

Que encaramos uma não verdade

Ou melhor, uma falsa realidade

E na verdade a situação, irmão

Está feia, está preta, está negra

Está difícil de manter a nossa vela acesa (2x)

Nós comemos pão com cabelo

Tomamos copo de pus

Apagamos a porta

E fechamos a luz

Até quando eu vou ouvir

E dizer o que eu não quero

Nesse azul e branco

No verde amarelo

Tá tudo lindo

Tudo belo

Tudo azul e branco

No verde amarelo

A miséria se propaga

E a maioria da cidadania

Só se fode

Vendo o rico ficando mais rico

O pobre ficando mais pobre

A burguesia desfruta

E nós ficamos com as sobras

Só um milagre salvará os habitantes

Desse ninho de cobras

Até quando eu vou dizer

E sentir o que eu não quero

Nesse azul e branco

No verde e amarelo

Vejo os irmãos, a toda tona

Mandando um recado

Pedindo e implorando

Para que os fatos sejam apurados

Pois o povo está totalmente

Massificado

Tá tudo lindo,

Tudo belo

Tudo azul e branco

No verde amarelo

Não nos tenha como pessimistas

Ou anarquistas

Somos vítimas fatais

Com isso temos nosso ponto de vista

Achamos que a realidade

Pode ser diferente

Com um país mais feliz

Um povo mais sorridente

Negros e brancos

Dividindo o mesmo prato

Negro se achando negro

Não moreno ou mulato

Uma vida mais digna,

Justa e correta

Uma galera conscientemente

Mais esperta

Capazes de mudar todo esse panorama

Pois infelizmente esse é nosso

Diagrama

Nunca sabemos de nada

Nem nunca temos certeza

Se abaixou a miséria

Ou se aumentou a pobreza

Tudo gira ao nosso redor

É como uma privada

A merda está fedendo

Mas ninguém quer dar descarga

Até quando eu vou dizer

E sentir o que eu não quero

Nesse azul e branco

No verde e amarelo

Tá tudo lindo

Tudo belo

Tudo azul e branco

No verde amarelo