Post

05.Fora o regresso-vol.00-cap02-05

5. “Fora o regresso” (1844).

Letra: Manuel de Araújo Porto-Alegre. Música: José Maurício Nunes Garcia (filho). Intérprete: Ana Maria Kieffer. Gravadora independente. CD do livro “Comédia musical urbana”.

Letra e partitura em “A Lanterna Mágica” (BN).

Aprender artes, ofícios,

Estudar anos inteiros,

Enriquecer os livreiros,

Só o faz rombo sandeu …

Pra ser rico, nobre e sábio

Com mil outros galardões,

Basta só nas eleições

Fazer papel de judeu…

Cartinhas amáveis,

Chapinhas estáveis,

Troquinhas notáveis

Urninhas mudáveis

E os manganões,

Espertalhões,

Com mangações,

Aos toleirões!

Tudo agiganta o progresso;

Viva Amor! Fora o Regresso!

Mil Mirabôs de enfiada (Mirabeaus)

Por vapor fazem discursos,

E vencem nestes concursos

Empregos e carachás.

Modesto patriotismo

Hoje em dia não faz vaza;

Escrever jornais à rasa

É caminho dos Baichás.

Juristas de capa,

Legistas de chapa,

Tretistas da lapa,

Chupistas de rapa.

Seu monarquismo,

Brasileirismo,

Patriotismo,

Sem egoísmo

Tudo agiganta o progresso;

Viva Amor! Fora o Regresso!

Padres, carolas, coveiros,

Vão todos plantar batatas.

Já temos homeopatas,

Já não morre mais ninguém.

Sangrias, bichas cautérios,

Em bolinhas se mudaram,

Os farmácios se acabaram,

E o brusselismo também.

Ascite bojuda,

Bronquite pontuda,

Gastrite aguda,

Raquite que muda ...

E os humoristas,

E os solidistas,

E os organistas,

E os razoristas.

Tudo agiganta o progresso;

Viva Amor! Fora o Regresso!

Modernos operadores

Fazem queixos de tarracha,

Põe corações de borracha,

Curam vesguelha e surdez.

Mudam as línguas aos gagos,

Trocam tripas, pernas, braços,

Cortam a gente em pedaços

E cozem-na um’outra vez.

Entranhas viradas,

Com banhas lavadas,

Façanhas cortadas,

Patranhas curadas ...

Litotomias,

Litotricias,

Patologias,

Frenologias.

Tudo agiganta o progresso;

Viva Amor! Fora o Regresso!

Nova carreira se abriu

Além das tretas e ronha!

Um pelintra, um sem vergonha

Se improvisa redator.

Unidos a outros ciganos,

A pena imunda vendendo

Calúnias mil escrevendo

Quer campar por grão senhor.

Rabisca ladrando,

Faísca bramando,

Marisca ganhando,

Lambisca trepando.

Os publicistas,

Os estadistas,

Os moralistas,

Idealistas

Tudo agiganta o progresso;

Viva Amor! Fora o Regresso!

Decora um rapaz seis frases,

De um autor ou libelista,

Ei-lo já com longa vista,

Novo regenerador.

Prometendo o Sol e a Lua,

Cabala, sai deputado.

Vende o voto, é magistrado.

E já visa a Senador.

Que moço de tino!

É um poço de fino!

Menino de troço!

Caroço ladino!

Chegou a idade

Da liberdade;

Que felicidade

Pra humanidade!

Tudo agiganta o progresso;

Viva Amor! Fora o Regresso!