Post

13.As comendadeiras-vol.00-cap02-13

13. “As comendadeiras” (s.d.)

Letra: Faustino Xavier de Novaes. Música: Belmiro Soler. Intérprete: João Nabuco (piano e canto). Gravação independente.

Letra (parcial) e partitura na BN. Letra integral em ACB.

Meu pai tenha paciência

Mande sangrar a algibeira

Preciso de uma excelência

Quero ser comendadeira

Deus não quis fazer somente

Do mundo os homens senhores

Nós apenas somos gente

E eles são comendadores

Isto, papai, não tem jeito!

Não vai bem o mundo assim

Tanta falta de respeito

É mister que tenha fim (bis)

Tem papai quatro comendas

E vejo-o sempre em contendas

Porque um vizinho tem seis

E a sua filha, coitada,

Não tem comendas nem nada

Por causa de trinta réis (bis)

Eu já sei que o papai trata


De casar-me, e é bem preciso;

Mas assim, tão lisa e chata,

Só marido, só marido chato e liso.


Eu tenho nobreza em saias,

E nas calças tenho renda;

Faltam no dote as alfaias,

E é rica alfaia a comenda.

Sou cantora de alta monta

No piano sem rival

Canto Orfeu de ponta a ponta

Toco o Hino Nacional (bis)

Sem picar as mãos na agulha

Na educação faço bulha

Tudo o que é belo aprendi

Estudando as línguas vivas

Domino-as como cativas

Digo já yes e oui (bis)

Comendas não se consomem,

Riquezas botam-se fora.

E comendador e homem

São, são sinônimos agora,


De Deus a lei nos ensina

Dos dois sexos a tendência,

Comenda só masculina

Não pode ter descendência.

Se um rasgo de bom juízo

Comenda macha nos deu

Comenda fêmea é preciso,

Que propaga o que nasceu.

Manda assim a natureza:


O marquês tem a marquesa,

Tem baronesa o barão.

Seja nobre a terra inteira:

Quero ser comendadeira,

Da Ordem da Criação.