24.Caixinha, obrigado-v1-cap06-m24

24. “Caixinha, obrigado” (1960), sátira

Autor: Juca Chaves. Intérprete: Idem. Gravadora: RGE.

A mediocridade é um fato consumado Na sociedade onde o ar é depravado Marido rico, burguesão despreocupado, Que foi casado com mulher burra mas bela O filho dela é político ou tarado Caixinha, obrigado! A situação do Brasil vai muito mal; Qualquer ladrão é patente nacional; Um policial, quase sempre, é uma ilusão E a condução é artigo racionado. Porém, ladrão... isto tem pra todo o lado Caixinha, obrigado! O rock'n'roll nesta terra é uma doença, E o futebol é o ganha pão da imprensa Vença ou não vença, o Brasil é o maioral E até da bola, nós já temos general Que hoje é nome de estádio municipal Caixinha, nacional! A medicina está desacreditada Penicilina já é coisa superada Tem curandeiro nesta terra pra chuchu Rio de Janeiro tá pior que Tambaú E de outro lado, onde está o delegado Caixinha, obrigado! Dramalhão, reunião de deputado É palavrão, que só sai pra todo lado Se um deputado abre a boca, é um atentado E a mãe de alguém é quem sofre toda vez No fim do mês, cento e vinte de ordenado. Caixinha, obrigado!