37.Os presidenciáveis-v3-anexo-09-m37

37. Os presidenciáveis (As lamentações”) (1990).

Autor: Alípio Martins. Intérprete: Idem. Gravadora: Continental. LP: Que delícia.

Vamos agora escutar

Esse potpourri

Para você recordar

E morrer de rir

Lula lá, a loteca saiu

Lula lá, mas você não viu

Lula lá, e a grana sumiu

Lula lá, foi para as estrelas

- Eu acho que nós tem que fazer uma oposição sistemática. Eu penso honestamente que tem que fazer uma governo paralelo. E digo mais: eu só não ganhei essa eleição porque se o outro tivesse a minha barba e eu os terno dele, eu papava essa eleição.

La, lá, lá, lá, lá. não chora

Lá, lá, lá, lá, lá, que fora

- Conseguiram te enganar, conseguiram me enganar. Eu nadei, nadei e morri na rua. E o que é pior, com o sapo barbudo, não é verdade?

Lá no horizonte, uma mão acenando

É uma cena triste de se ver

É a Presidência que vai se afastando

E vai ficando longe de você

Meu camarada você foi fominha

Tirou a chance do animador

tá querendo fazer a caminha

Pra no futuro ser governador

- É claro que com toda a minha dignidade e austeridade, não poderia renunciar à minha candidatura.

- Vai, vai, vai pra lá, francamente. Se você tivesse deixado essa boca pra mim, eu já tava eleito. Agora, eu vou continuar com os meus programas e você vai ficar em casa de pijama. Ahahai, ihihih, ele perdeu!

Os patinhos da lagoa

Que sonhavam em chegar lá

Os patinhos da lagoa

Desaprenderam a nadar

- Pois é, minha gente, eu fui acreditar na palavra dessa vidente, Leila Alckmin, que me garantiu que a minha vitória já estava garantida, sim. E pra homenagear os patinhos da minha campanha, eu caí que nem um pato. Mas, quem sabe, minha gente, na próxima juntos chegaremos lá.

Louvo, louvo, louvo, louvo, louvo

A esperança renasceu de novo

- Brasileiros e brasileiras, ah, se eu tivesse mais cinco anos, eu juro que endireitava esse país. Agora só me resta pegar esse trem e torcer pra que esse menino continue ajudando o Maranhão. Vamos embora, mulher. Para de comer, mulher, que agora quem paga as contas somos nós.