41.Sempre no meu coração-v1-cap4-m41

41. “Sempre no meu coração” (1943), paródia.

Autores: Música de Ernesto Lecuona (“Sempre no meu coração”), paródia de Alvarenga e Ranchinho. Intérpretes: Alvarenga e Ranchinho. Gravadora: Odeon

Sempre nu, sem coração,

Sem camisa e sem jaqueta,

Ele tinha a ilusão

De não tirar a camisa preta

Mas um dia o Eisenrórvel

Bombardeô com seu revórvel

E o coitado amedrontado

Saiu correndo muito assustado

Mas agora esse fascista

Rei do berro, rei da pista

Triste como Magnólia

Deu lugar para o Bagdolia

E esse então atrapalhado

Do lugar já quer sair

E pro Rei Emanué

Quer empurrar o abacaxi.