48.Reengenharia-v3-cap-10-m48

48. “Reengenharia”(1998)

Autor: Itamar Assumpção. Intérprete: idem. Gravadora: Atração Fonográfica: CD: “Pretobrás – Por que eu não pensei nisso antes?– 1998”.

Meu amor, não sou o Gabriel

Mas sou pensador

Eu tive uma ideia genial

Que tal inserir nosso lar na economia global?

É muito simples não tem nem filosofia

É só trazer a tal reengenharia

No mundo inteiro vai que é uma beleza

Porque não fazer igualzinho lá em casa, hein, princesa?

É só jogar no lixo o que não precisa

A tua mãe, por exemplo, a gente terceiriza

Não se preocupe com a culinária

Agora ficou chique comer porcaria, ter urticária

O que é que há de mal?

Afinal, é só um bocadinho de mesquinharia

Ah, meu bem, nem vejo a hora de fazer economia de escala

Os malas dos nossos vizinhos pegamos e botamos fora

A mulher dele, a mulher dele, a gente incorpora

Vamos acabar com todo desperdício

Afinal, qual é o mal? É só a beira do precipício

Os amigos a gente elimina

E traz algum brinquedinho baratinho lá da China

Vamos criar um lar bem competitivo

Um lar que seja voltado só para um objetivo

Entre o ativo e o passivo vamos ver qual de nós dois ainda continua vivo

Vamos cair de boca no pragmatismo

Afinal, qual é o mal? É só a beira do abismo

Querida, vamos acabar com todo sossego

Dar um basta nos sentimentos

E nos momentos de aconchego

Pulmão otimizado, coração desativado

No seguro desemprego

Nosso lar vai virar uma operação enxuta Com muito mais inveja, com muito mais disputa Afinal qual é o mal em ser só um tiquinho filho da puta Vamos concentrar na nossa vocação, meu bem Ficar querendo o que a gente não tem Oh! Meu amor eu quero detonar o quarteirão o mundo o bairro Só pra comprar o nosso segundo carro Oh! Meu amor, depois, quando tudo der certo Ficaremos só nós dois num lindo deserto Vai ser tão legal ser moderno aqui no meio do inferno Poderemos gravar tudo isso em vídeo Afinal qual é o mal, é só um pouquinho de suicídio Teu irmão eu aniquilo, teu pai jogamos no asilo É, só vamos comer por quilo

Meu amor, meu amor, meu amor

Não sou o Gabriel

Mas sou pensador