55.A carta-v1-cap4-m55

55. “A carta” (1944), canção.

Autor: Custódio Mesquita. Intérprete: Orlando Silva. Gravadora: Odeon.

s início 2.21s


Pois um soldado não chora

Também não devo chorar

Devo honrar a farda que visto

E a Pátria também devo honrar Acima de todas as coisas,

Pois sou forte, não temo lutar,

Sou soldado, honro a farda que visto

E um soldado não deve chorar.

O 411 começou a ler carta da nossa mãezinha.

- Está bem companheiro, ouça:

“Os meus cabelos eram brancos, estão mais brancos

Minha cabeça é um floco de algodão

Toda a saudade que havia pelo mundo

Está morando agora no meu coração

Já disse aos meus bravos companheiros

Que falte tudo, cobertor, e até um pão,

Mas saibam que não falta a nenhum

Sua mãezinha a rezar uma oração”

Pois um soldado não chora

Também não devo chorar

Devo honrar a farda que visto

E a Pátria também devo honrar Acima de todas as coisas,

Pois sou forte, não temo lutar

Sou soldado, honro a farda que visto

E um soldado não deve chorar